Connect with us

E.C. VITÓRIA

4×0; Vitória é atropelado pelo Fortaleza e se despede da Copa do Nordeste

Published

on

Um abismo separa Fortaleza e Vitória. Não há paridade de forças. Não houve qualquer sinal de competitividade. A equipe de Rogério Ceni simplesmente passou o carro em cima de um fragilizado Rubro-Negro, que em momento algum esboçou reação. Não é exagero dizer que o resultado de 4 a 0 ficou barato. Os baianos deixam a Copa do Nordeste com um saldo de sete empates e duas derrotas.

A expectativa de um jogo difícil se confirmou desde os primeiros minutos, de domínio absoluto do Fortaleza, que colocou a bola no chão e fez o Vitória correr de um lado para o outro. Cláudio Tencati optou por um jogo reativo, com as linhas de marcação recuadas, apostando em uma saída rápida para o contra-ataque. Não aconteceu.

Um dos grandes problemas está justamente na escalação. Não dá para jogar pelo contra-ataque sem ter em campo um jogador que te dê a opção de velocidade pelos lados. Yago e Andrigo, atuando pelas pontas, e Ruy, centralizado, definitivamente não são esses atletas. Com o contrato perto do fim, Erick sequer foi relacionado. Nickson ficou no banco.

A transição do Vitória da defesa para o ataque é uma completa vergonha. Se tinha dificuldade para puxar contra-ataques, a situação piorava quando o Rubro-Negro encontrava a defesa adversária montada, com suas linhas bem compactadas negando espaços. A bola rodava entre zagueiros e laterais, sem que volantes e meias se apresentassem para melhorar a construção das jogadas.

Do outro lado, o oposto. Organizado, o Fortaleza tinha uma boa transição da defesa para o ataque, com excelente participação dos volantes, mas pecava quando chegava perto da área. A solução encontrada foi alçar bola na área. Antes de Júnior Santos vencer com facilidade o combate de Edcarlos (se é que assim se pode chamar) e abrir o placar, Wellington Paulista já havia aparecido livre, mas errou o movimento do cabeceio.

O segundo gol da equipe cearense surgiu a partir de uma transição muito bem organizada, um contra-ataque de manual. A rápida troca de passes que logo colocou Osvaldo no mano a mano com Jeferson mostrou como a diferença entre os dois times. Júnior Santos marcou mais um.

O Vitória não chutou sequer uma bola na direção do gol durante a primeira etapa, de acordo com números do footstats.

A verdade é que o Fortaleza foi senhor do jogo do primeiro ao último minuto. Castigou o Vitória com uma marcação forte, venceu a maioria das divididas e, por ser uma equipe extremamente compacta, ainda ficou com todas as segundas bolas.

Tivesse um pouco mais de fome de gol e precisão, a equipe de Rogério Ceni sairia do Castelão com uma goleada histórica. Acredite, torcedor: bem pior do que foi. Com o emocional em frangalhos, os jogadores do Vitória acusaram o golpe, passaram a errar passes em demasia e facilitaram a vida do adversário, que encontrava generosos espaços no campo ofensivo. Assim Edinho fez o terceiro. E Dodô fechou a conta em linda cobrança de falta.

Ao fim do jogo, o Vitória somou apenas uma finalização no alvo, e foi em uma cobrança de falta que não deu trabalho a Marcelo Boeck. O goleiro do Fortaleza, por sinal, pode guardar o uniforme para o próximo jogo, já que não o sujou.

Uma derrota que reflete o que foi esse primeiro semestre tenebroso do Vitória. E fica o aviso: antes mesmo de começar a Série B, é preciso ligar o sinal de alerta. Há muito trabalho pela frente, e essa equipe precisa ser reconstruída.

Faça um comentário

O maior Portal de Notícias e Entretenimento de Cajazeiras e região. O que você gostaria de saber "A gente mostra todo mundo vê"

E.C. VITÓRIA

João Gabriel lamenta primeiro semestre desastroso

Published

on

O primeiro semestre de 2019 foi desastroso para o Vitória. Eliminado na primeira fase da Copa do Brasil e do Campeonato Baiano, o time acumula mais de dois meses sem vencer e vive um período sem jogos até o início da Série B. A última partida ocorreu no dia 8 deste mês, quando o Rubro-Negro foi goleado pelo Fortaleza por 4 a 0 nas quartas de final da Copa do Nordeste, a pior derrota do ano.

A decepção com os resultados obtidos nas primeiras competições da temporada não é exclusiva da torcida. No elenco, os jogadores reconhecem que o desempenho apresentado até aqui está abaixo das expectativas. O goleiro João Gabriel afirma que é preciso implementar mudanças para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. Para o Vitória, a competição terá início no próximo dia 27, às 11h (de Brasília), e o primeiro adversário será o Botafogo-SP, em São Paulo.

– Primeiro atitude. É importante cada atleta, cada profissional ter autocrítica. Sabemos que deixamos a desejar nesse primeiro momento, que o torcedor está magoado. Não tiro a razão, também sou torcedor. A gente tem que ter uma atitude diferente, com brio, enxergando essa Série B como uma oportunidade. Garanto a vocês que o fim do ano vai ser melhor que o início – comentou o goleiro.

Fora de campo, os problemas persistem. Nos últimos meses, os atrasos salariais foram recorrentes. O clube atravessa instabilidade política e terá eleições no próximo dia 24 para definir os novos integrantes do Conselho Diretor, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. João Gabriel afirma que, mesmo diante do cenário confuso, os jogadores precisam se blindar para fazer uma boa Série B.

– Instabilidade e estabilidade política fazem parte de grandes clubes. Não cabe a nós atletas estarmos pensando ou sofrendo por antecedência. A gente tem que viver o momento. E o momento é de assumir a responsabilidade. A partir da eleição, eles vão tomar as devidas decisões. Nesse momento, a gente tem que viver dia a dia, trabalhar dia a dia, como se fosse um prato de comida, para que a gente mude a nossa cara. Posteriormente a gente vai ver o que vai acontecer.

– Segredo é hombridade e a responsabilidade de defender essa instituição. A gente vem de alguns insucessos, a gente carrega uma certa responsabilidade, mas a gente não tem tempo para lamentar nem para remoer mágoas. A gente pode fazer diferente com o que estar por vir. Estão todos motivados para reescrever nessas 38 rodadas.

Até aqui, o Vitória disputou 19 partidas no ano, com apenas três triunfos, 11 empates e cinco derrotas. São 20 gols marcados e 25 gols sofridos.

informações do GE

Faça um comentário
Continue Reading

E.C. VITÓRIA

Sem acordo com Vitória, argentino Escudero fecha com o Cuiabá

Published

on

Sem acerto entre o meia argentino Escudero e o Vitória, o Cuiabá entrou na disputa e chegou a um acordo com o atleta para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. O jogador chega na capital mato-grossense nesta segunda-feira para assinar um contrato até o fim de 2019. Formado nas categorias de base do Vélez Sarsfield da Argentina, Escudero não joga profissionalmente desde setembro de 2017, quando ainda defendia o Vasco.

Esta é a primeira contratação anunciada oficialmente pelo Cuiabá para a disputa Série B do Brasileiro. A diretoria do clube assumiu que sabe da situação do jogador, que não joga há quase dois anos, e acredita que ele estará pronto para ajudar o time mato-grossense no Brasileiro.

Escudero desembarca em Cuiabá nesta segunda-feira e a expectativa é que já esteja apto para entrar em campo na estreia da Série B do Brasileiro, no dia 27 de abril, contra o Criciúma. Em nota oficial na semana passada, o atleta afirmou que os relatórios médicos e da comissão técnica do Vitória foram positivos sobre a sua condição física.

Escudero teve passagens por grandes clubes do futebol brasileiro como Vasco, Grêmio, Atlético-MG, mas foi no Vitória onde teve mais destaque entre os anos de 2013 e 2015. Foram 100 partidas com o time baiano e 22 gols marcados. O meia argentino ainda figurou nas seleções de base da Argentina.

Cuiabá na final

O anúncio da contratação do meia argentino veio logo após a classificação do Cuiabá para mais uma final do Campeonato Mato-grossense – a oitava nos últimos nove anos. O Dourado venceu o Luverdense por 3 a 0 neste sábado e espera o rival entre Operário VG e União, que jogam neste domingo.

informações do G1

Faça um comentário
Continue Reading

E.C. VITÓRIA

Caso Escudero: sem acordo, meia cita “amadorismo” do Vitória

Published

on

Foto: Maurícia da Matta / Divulgação / EC Vitória

Após reuniões com a diretoria do Vitória, o meia Damián Escudero se posicionou no fim da tarde desta quarta-feira sobre o desfecho das negociações com o clube. As duas partes se reuniram na última segunda-feira e não chegaram a um acordo. Com isso, o jogador de 31 anos deve voltar para a Argentina.

O jogador afirma que teve “a maior paciência do mundo para tentar chegar a um acordo”, mas o presidente Ricardo David apresentou uma proposta abaixo do esperado. O argentino diz que com o contrato apresentado “teria que tirar dinheiro do bolso para viver” (confira a mensagem completa abaixo).

Escudero garante que está bem fisicamente e que os “os relatórios médicos, da parte fisiológica e da comissão foram positivos”. O argentino também falou em “amadorismo” das partes envolvidas na negociação:

– Quero que fique bem claro que não foi dinheiro o problema e sim muito amadorismo das partes envolvidas para fechar uma negociação que era muito simples sempre desde que todos nós falássemos a mesma língua (português).

Por fim, Escudero diz que queria ficar no clube e agradece ao Vitória por ter aberto as portas para a sua recuperação:

– Eu queria muito ficar para ajudar ao clube, mas desse jeito eu me senti tratado como um moleque nessa negociação pelas partes envolvidas. E no mínimo eu mereço respeito – escreveu.

Vitória dá sua versão

O Vitória não demorou a dar sua versão. Em nota oficial (confira íntegra abaixo), o clube alega que o jogador não se entendeu com seus empresários e garante que não mediu esforços para contar com o meia argentino.

– Desde a sua chegada na Toca do Leão, havia uma proposta formatada para o jogador, que demonstrou interesse e concordância. Proposta esta que se manteve de pé até o fim das negociações, com o Clube, ainda assim, flexibilizando algumas partes do acordo. O Clube não mediu esforços para a permanência do meia e ressalta que o atleta não ficou por conta de desentendimentos entre o argentino e seus representantes – afirma o Vitória.

Confira a íntegra da carta de Escudero

“Hoje é um dia muito triste para mim. Estou saindo do Vitória e tomando a decisão de não ficar. Vou explicar a situação. Foi muito desgastante, e eu tive a maior paciência do mundo para tentar chegar a um acordo. Mas infelizmente as pessoas que levaram adiante a negociação acabaram atrapalhando muito o processo para eu ficar. Eu ontem saí do Barradão às 22h30, mas não foi resolvido nada. Hoje o Rafael Carvalho (que estava fazendo a intermediação) me enviou uma mensagem falando que o presidente já tinha o contrato na mesa e que era para eu ir no Barradão assinar. Fui no clube e quando cheguei lá, o acerto era diferente do qual Rafael tinha me passado. Então isso aí foi a gota d’água que acabou por eu tomar a decisão de não ficar no Vitória. Sendo que essa foi a terceira vez que me sentei (só hoje foram duas vezes) na frente do presidente para assinar e não acabou acontecendo.

Eu sei a situação do Vitória, eu sou um cara que me sinto em plenas condições de ajudar o clube. Queria muito ajudar a devolver a Vitória para Série A, mas isso aqui não é questão de dinheiro, por que eu queria muito jogar pelo Vitória novamente. Eu falei para o presidente que com esse contrato eu tinha que tirar dinheiro do meu bolso para viver. E ele se comprometeu a procurar uma solução, mas já foi muito tarde. Adiaram a reunião da última sexta-feira para segunda-feira, com o presidente alegando para mim que era para eu fazer um coletivo, onde ele ia me avaliar junto à comissão técnica (coisa que não foi assim). Eu fiz o coletivo, me senti muito bem. Os relatórios médicos, da parte fisiológica e da comissão foram positivos. Ou seja, só faltava o presidente ver que eu estava bem. Aí acabou perdendo três dias muito valiosos para finalizar a negociação e assinar na segunda-feira. Então nos reunimos segunda-feira e o presidente veio com uma proposta muito abaixo do esperado e que a empresa de intermediação havia me passado.

Então é isso o que aconteceu. Quero que fique bem claro que não foi dinheiro o problema e sim muito amadorismo das partes envolvidas para fechar uma negociação que era muito simples sempre desde que todos nós falássemos a mesma língua (português).

Eu queria muito agradecer ao Vitória por ter me abertos às portas para me recuperar e me deixar 100% para o meu futuro. É uma pena, sabendo o sentimento que eu tenho pelo Vitória, ver o clube na situação que está e não vejo que as coisas estejam sendo feitas para melhorar. Muito pelo contrário: nada é por acaso, né? Queria agradecer o carinho da torcida na rua, isso para mim vale muito mais que qualquer outra coisa.

Eu queria muito ficar para ajudar ao clube, mas desse jeito eu me senti tratado como um moleque nessa negociação pelas partes envolvidas. E no mínimo eu mereço respeito. Eu posso ser contratado ou não, é normal, lógico, e eu respeito. Mas ser tratado dessa forma? Eu acho que foi isso o que fizeram que eu tomasse a decisão de ir embora. Graças a Deus tive a honra de jogar em grandes clubes a nível mundial, e não merco passar por esse tipo de coisas. E por último agradecer muito mesmo aos funcionários do Vitória. Os fisioterapeutas, corpo médico, o pessoal da academia, da transição. Eu estou saindo triste, mas sabendo que vou ver a minha família que amo muito e que sempre estão do meu lado mesmo estando longe. Eles sabem do sacrifício que eu fiz para ficar no Vitória, mas que infelizmente não deu certo!”

Confira a íntegra da nota do Vitória

“O Esporte Clube Vitória comunica à Nação rubro-negra que as negociações com o meia Escudero foram finalizadas. O atleta não permanecerá no Clube por um desentendimento dele com os seus empresários.

Escudero chegou ao Clube no fim de fevereiro para passar por um período de 30 dias em avaliação. Por conta de uma lesão identificada no atleta, a avaliação foi prorrogada para que ele se recuperasse.

Desde a sua chegada na Toca do Leão, havia uma proposta formatada para o jogador, que demonstrou interesse e concordância. Proposta esta que se manteve de pé até o fim das negociações, com o Clube, ainda assim, flexibilizando algumas partes do acordo.

O Clube não mediu esforços para a permanência do meia e ressalta que o atleta não ficou por conta de desentendimentos entre o argentino e seus representantes.

O Vitória está acima de qualquer atleta”.

informações do G1

Faça um comentário
Continue Reading
Advertisement

politica

segurança

BORA, BAHÊA!

PRA CIMA DELES LEÃO

Cajazeiras e Região