Connect with us

E.C. VITÓRIA

4×0; Vitória é atropelado pelo Fortaleza e se despede da Copa do Nordeste

Published

on

Um abismo separa Fortaleza e Vitória. Não há paridade de forças. Não houve qualquer sinal de competitividade. A equipe de Rogério Ceni simplesmente passou o carro em cima de um fragilizado Rubro-Negro, que em momento algum esboçou reação. Não é exagero dizer que o resultado de 4 a 0 ficou barato. Os baianos deixam a Copa do Nordeste com um saldo de sete empates e duas derrotas.

A expectativa de um jogo difícil se confirmou desde os primeiros minutos, de domínio absoluto do Fortaleza, que colocou a bola no chão e fez o Vitória correr de um lado para o outro. Cláudio Tencati optou por um jogo reativo, com as linhas de marcação recuadas, apostando em uma saída rápida para o contra-ataque. Não aconteceu.

Um dos grandes problemas está justamente na escalação. Não dá para jogar pelo contra-ataque sem ter em campo um jogador que te dê a opção de velocidade pelos lados. Yago e Andrigo, atuando pelas pontas, e Ruy, centralizado, definitivamente não são esses atletas. Com o contrato perto do fim, Erick sequer foi relacionado. Nickson ficou no banco.

A transição do Vitória da defesa para o ataque é uma completa vergonha. Se tinha dificuldade para puxar contra-ataques, a situação piorava quando o Rubro-Negro encontrava a defesa adversária montada, com suas linhas bem compactadas negando espaços. A bola rodava entre zagueiros e laterais, sem que volantes e meias se apresentassem para melhorar a construção das jogadas.

Do outro lado, o oposto. Organizado, o Fortaleza tinha uma boa transição da defesa para o ataque, com excelente participação dos volantes, mas pecava quando chegava perto da área. A solução encontrada foi alçar bola na área. Antes de Júnior Santos vencer com facilidade o combate de Edcarlos (se é que assim se pode chamar) e abrir o placar, Wellington Paulista já havia aparecido livre, mas errou o movimento do cabeceio.

O segundo gol da equipe cearense surgiu a partir de uma transição muito bem organizada, um contra-ataque de manual. A rápida troca de passes que logo colocou Osvaldo no mano a mano com Jeferson mostrou como a diferença entre os dois times. Júnior Santos marcou mais um.

O Vitória não chutou sequer uma bola na direção do gol durante a primeira etapa, de acordo com números do footstats.

A verdade é que o Fortaleza foi senhor do jogo do primeiro ao último minuto. Castigou o Vitória com uma marcação forte, venceu a maioria das divididas e, por ser uma equipe extremamente compacta, ainda ficou com todas as segundas bolas.

Tivesse um pouco mais de fome de gol e precisão, a equipe de Rogério Ceni sairia do Castelão com uma goleada histórica. Acredite, torcedor: bem pior do que foi. Com o emocional em frangalhos, os jogadores do Vitória acusaram o golpe, passaram a errar passes em demasia e facilitaram a vida do adversário, que encontrava generosos espaços no campo ofensivo. Assim Edinho fez o terceiro. E Dodô fechou a conta em linda cobrança de falta.

Ao fim do jogo, o Vitória somou apenas uma finalização no alvo, e foi em uma cobrança de falta que não deu trabalho a Marcelo Boeck. O goleiro do Fortaleza, por sinal, pode guardar o uniforme para o próximo jogo, já que não o sujou.

Uma derrota que reflete o que foi esse primeiro semestre tenebroso do Vitória. E fica o aviso: antes mesmo de começar a Série B, é preciso ligar o sinal de alerta. Há muito trabalho pela frente, e essa equipe precisa ser reconstruída.

Faça um comentário

O maior Portal de Notícias e Entretenimento de Cajazeiras e região. O que você gostaria de saber "A gente mostra todo mundo vê"

Publicidade:

Advertisement

politica

Cajazeiras e Região